sexta-feira, 27 de abril de 2012

Waldemar Niclevicz o maior montanhista do Brasil

Waldemar Niclevicz 


O paranaense Waldemar Niclevicz nasceu em Foz do Iguaçu e durante toda a sua infância teve muito contato com a natureza. De acordo com o próprio Niclevicz, o alpinismo entrou naturalmente em sua vida.
Até os seus 11 anos de idade, sua principal “aventura” era sair para pescar e caçar com seu pai. Aos 12 anos, ele e sua família foram morar em Curitiba, onde teve contato com a Serra do Mar. Com 15 anos Niclevicz escalou a sua primeira entre muitas montanhas: o Pico do Marumbi, com 1.539 m. “Foi paixão à primeira vista”, recorda o alpinista brasileiro. A partir de então, Niclevicz começou a praticar o montanhismo, caminhando e acampando nas montanhas.
Já com 18 anos, Niclevicz mudou-se para a região de Itatiaia (entre o Rio de Janeiro e Minas Gerais) e foi lá que ele realmente aprendeu a usar o equipamento técnico que envolve a escalada, como os mosquetões e cordas. O Planalto de Itatiaia é, para Niclevicz, o lugar mais alpino do Brasil.
Nesta mesma época (1985) ele fez uma das viagens mais marcantes de sua vida. Niclevicz foi em busca do “caminho inca” e viajou por toda a Bolívia e Peru. A aventura e o prazer em conhecer novos povos e culturas tornaram-se ainda mais fortes em sua vida. Essa foi a primeira vez que o alpinista pisou na neve e sentiu o “ar rarefeito” que assombra a maioria da população ao mesmo tempo em que hipnotiza os verdadeiros alpinistas.
Depois dessa viagem, seu caminho estava traçado. Niclevicz formou-se nos mais diversos cursos de alpinismo, espeleologia, além de formar-se na Faculdade de Turismo, pela Universidade Federal do Paraná.
Para arrecadar “fundos” para suas viagens, Niclevicz trabalhava em uma fábrica de mochilas além de guiar grupos de turistas em montanhas e cavernas. Todo e qualquer “dólar” que juntasse transformava-se rapidamente em “viagem” pela América do Sul. E foi assim que, em 1988, Niclevicz tornou-se um alpinista profissional, ao chegar ao topo do Aconcágua, na Argentina, em fevereiro daquele ano.
Para o atleta, até então amador, essa montanha marcou sua vida. Nicleviz conta que a emoção de chegar ao cume do Aconcágua (6.959 m), sozinho em todos os sentidos, mexeu demais com ele. A partir de então, ele passou a dedicar-se integralmente ao alpinismo.
A carreira do maior alpinista brasileiro estava apenas começando. Leia mais nas próximas páginas e saiba quais foram as suas principais conquistas.
Principais conquistas

O currículo de Niclevicz é invejável. Não bastasse ser o primeiro brasileiro a escalar o Everest, em 1995, ele repetiu o feito dez anos depois, desta vez, subindo pela face sul, face contrária à escalada em 1995. Também constam em seu currículo o K2, considerada a montanha mais gelada e perigosa da Terra.
Niclevicz também escalou os Sete Cumes, a maior montanha de cada um dos continentes, a Trango Tower, maior montanha de granito do mundo, além de seis das 14 montanhas com mais de 8 mil metros de altitude no mundo. Leia um pouco mais sobre cada uma de suas principais conquistas:

Everest

Após uma tentativa frustada em 1991, em função de um defeito no equipamento de oxigênio e estando a apenas 300 m do topo, Niclevicz finalmente chegou ao topo da maior montanha do mundo, o Everest, mais precisamente no dia 14 de maio de 1995. Para comemorar o feito, ele escalou novamente a montanha, dez anos depois, em 2005. Na primeira ocasião, Niclevicz escalou pela face norte. Já na expedição “Everest 10 anos” ele escalou pela face sul. No dia 2 de junho de 2005, Niclevicz fincou novamente a bandeira brasileira no topo da maior montanha do mundo.


©2007 www.niclevicz.com.br
No topo do Everest, em 1995

K2

O K2 é a segunda maior montanha do mundo (8. 611 m). Apenas 185 alpinistas conseguiram chegar ao topo do K2 - outros 54 morreram tentando, o que faz com que o K2 seja conhecido como “a montanha da morte”.
Só para dar uma idéia do que estamos falando, o Everest, maior montanha do mundo, está a apenas 237 metros acima do K2, porém, é mais fácil de ser escalado. Enquanto que cerca de 400 pessoas tentam escalar o Everest anualmente, apenas 30 aventuram-se pelo K2.
Niclevicz precisou de três expedições para conquistar o tão sonhado K2. Em todas elas ela contou com a companhia do alpinista e amigo italiano Abele Blanc. A primeira tentativa aconteceu ainda em 1998. Os alpinistas chegaram até os 7.700 m, mas quando tentaram prosseguir quase todo o grupo foi carregado por uma enorme avalanche. Decidiram então, retornar.


©2007 www.niclevicz.com.br
No topo do K2, no ano 2000

A segunda expedição aconteceu logo no ano seguinte, em 99. Ao chegarem ao acampamento base, porém, encontraram péssimas condições climáticas, com neve fofa acima de 7 metros. Novamente, optou-se pelo retorno.
Finalmente, no ano 2000, Niclevicz conquistou o tão esperado cume do K2. Para tanto, ele esperou 28 dias no acampamento base até que o tempo melhorasse. No dia 29 de julho daquele ano, após 19 horas e 30 minutos de escalada contínua, ele chegou ao topo. Niclevicz chegou a perder a visão do olho esquerdo durante aqueles dias de escalada (recuperada posteriormente). Um de seus companheiros de escalada, o italiano Marco Camandona, acabou tendo que amputar a primeira falange de cada um de seus dedos.

Sete Cumes

Escalar os Sete Cumes significa conquistar a principal montanha de todos os continentes. Apenas 52 alpinistas conseguiram tal feito. Niclevicz foi o segundo sul-americano a conquistar os Sete Cumes e o único brasileiro. O Aconcágua, em 1988, foi o primeiro cume conquistado. Veja quando aconteceu cada uma das conquistas dos sete cumes.

©2007 www.niclevicz.com.br
A localização dos Sete Cumes 



Trango Tower

A Trango Tower, com seus 6.251 m de altitude e localizada no Paquistão, é considerada a maior torre de granito do mundo.Trata-se do maior "big Wall" conhecido na Terra. Para tanto antes de partir para essa expedição, Niclevicz treinou muito no Parque Nacional Yosemite, nos Estados Unidos, maior centro de escalada de big wall do mundo. De acordo com Niclevicz, o que mais assustava na Trango Tower eram as pedras que rolavam “sem aviso” passando raspando por ele. Em 30 de junho de 2001, ele conquistou a torre.


©2007 www.niclevicz.com.br
A Trango Tower, no Paquistão
Clique na imagem abaixo e veja todas as conquistas de Niclevicz.


Feitos notáveis

· Escalou sozinho o Aconcágua, maior montanha da América do Sul, em 1988.
· 1º brasileiro a escalar sozinho o Ojos del Saldo, maior montanha do Chile, 1989.
· 1º brasileiro a escalar sozinho o Huascaran, maior montanha do Peru, 1989.
· 1º brasileiro a escalar sozinho o Chimborzado, maior montanha do Equador, 1989.
· 1º brasileiro a escalar sozinho o Matterhorn, maior montanha da Suiçãi, 1991.
· 1º brasileiro a escalar sozinho o Mont Blanc, maior montanha dos Alpes Europeus, 1991.
· 1º brasileiro a escalar o Everest, maior montanha do mundo, 1995 (ao lado de Mozart Catão)
· 1º brasileiro a escalar sozinho o Elbrus, maior montanha da Europa, 1996
· 1º brasileiro a escalar o Vinson, maior montanha da Antártida, 1996 (ao lado de Dave Hann)


©2007 www.niclevicz.com.br
No topo do Vinson, Antártida

· 1º brasileiro a escalar sozinho o Sajama, maior montanha da Bolívia, 1997
· 1º brasileiro a escalar sozinho o McKinley, maior montanha da América do Norte, 1997.


©2007 www.niclevicz.com.br
No topo do McKinley, América do Norte
· 1º brasileiro a escalar sozinho o Cartensz, maior montanha da Oceania, 1997.


©2007 www.niclevicz.com.br
No topo do Cartensz, Oceania

· 1º brasileiro a completar os Sete Cumes, a escalada da maior montanha de cada um dos continentes, 1997.
· 1º brasileiro a escalar o Shisha Pangma, 13ª maior montanha do mundo, 1998 (ao lado de Abele Blanc)
· 2º brasileiro a escalar o Cho Oyou, 7ª maior montanha do mundo, 1998 (ao lado de Abele Blanc).
· 1º brasileiro a escalar o Gasherbrum, 14ª maior montanha do mundo, 1999 (ao lado de Abele Blanc).
· Escalou o Pico da Neblina, maior montanha do Brasil, 2000 (ao lado de militares do exército brasileiro).
· 1º brasileiro a escalar o K2, segunda maior montanha do mundo, 2000 (ao lado de Abele Blanc).
· 1º brasileiro a escalar o Trango Tower, maior torre de granito do mundo, 2001 (ao lado de Irivan Burda e Marcelo Santos).
· 1º brasileiro a escalar o Lhotse, 4ª maior montanha do mundo, 2002 (ao lado de Irivan Burda).
· 1º brasileiro a escalar o San Valentin, maior montanha da Patagônia, 2004 (ao lado de Renato Kalinowski).
· 1º brasileiro a escalar pela segunda vez o Everest, maior montanha do mundo, 2005 (ao lado de Irivan Burda).
· 1º brasileiro a escalar os montes Cook e Tasman, maiores montanhas da Nova Zelândia, 2006 (ao lado de Marty Bear).
· 1º brasileiro a escalar o Gunnbjorns e o Dome, maiores montanhas do Ártico, 2006 (ao lado de Mark Thomas).

Niclevicz hoje

Apesar de não contar atualmente com o apoio de patrocinadores, Niclevicz decidiu organizar uma arriscada e ousada expedição no primeiro semestre de 2007. Com muita garra (além de suas “economias”), o alpinista brasileiro rumou novamente em busca do cume.
No dia 28 de março de 2007, Niclevicz partiu, juntamente com os brasileiros Irivan Burda e Maurício Clauzet e o francês Gilles Bouchet, para o Nepal. Tinha início a expedição Brasil Makalu, cujo objetivo era conquistar a 5ª maior montanha do mundo.


© 2007 www.niclevicz.com.br
Waldemar Niclevicz e Irivan Burda

O Makalu, com seus 8.463 m de altitude, só foi conquistado até então, por 12 alpinistas do mundo inteiro. Infelizmente, atolados em neve até os joelhos, aos 7.800 m de altitude, os alpinistas foram obrigados a desistir. No dia 21 de maio de 2007 eles retornaram ao acampamento base. A expedição Brasil Makalu foi uma expedição genuinamente brasileira, com recursos limitados, sem patrocínios, idealizada por Niclevicz e pelo Irivan.
Vídeos de Niclevicz

· Everest, a conquista brasileira
· Um sonho chamado K2 - 2007

Atualmente, Niclevicz vem transmitindo seus conhecimentos realizando palestras motivacionais em empresas. Com o enfoque em superação de desafios, conhecimento dos próprios limites, planejamento estratégico, empreendedorismo entre outros assuntos, as palestras do alpinista são verdadeiro sucesso. Ao todo, o alpinista brasileiro já proferiu mais de 400 palestras em todo o Brasil.


©2007 www.niclevicz.com.br

Niclevicz também abriu a sua própria editora, Sagarmatha, com o fim de gerenciar suas expedições, realizar palestras, buscar patrocínio, bem como editar e vender seus livros e vídeos. O alpinista já lançou quatro livros, sendo três sobre o Everest e o último sobre o K2. Niclevicz também produz e comercializa vídeos de suas expedições.
Livros de Niclevicz

· Tudo pelo Everest - 1995
· Everest, Sagarmatha, Chomolunga - 1996
· Everest, o diário de uma vitória - 2002
· Um sonho chamado K2 - 2007

"Hoje posso me considerar um alpinista profissional, pois estou conseguindo realizar belos e importantes projetos em várias montanhas ao redor do mundo. Também venho fazendo muito sucesso realizando palestras motivacionais para empresas. Moro em Curitiba, vivo nas montanhas, sou feliz".
Waldemar Niclevicz


Fonte:
Waldemar Niclevicz.

http://esporte.hsw.uol.com.br/

2 comentários:

enquantoissonaomuitolongedali disse...

É um grande montanhista com certeza, mas o maior?! Me poupe vai!

Luciano Ribeiro disse...

Digo o maior pelo o que faz, não somente pelas conquistas pelo mundo como Everest, K2, Mckinley,Aconcágua dentre outras, mais também utilizar a sua experiência pra ajudar outras pessoas com palestras motivacionais etc etc etc.
Para mim um montanhista não se faz somente com conquistas, mais também com atitudes.
Mais de qualquer forma obrigado pelo seu comentário e fique a vontade para explanar sua opinião pois este espaço é nosso.

 
©2008 'Aventura na Veia' Por Luciano Ribeiro